Nacional

Homens armados raptam jovens e incendeiam casas na Província do Niassa

2021-12-01 08:24:34 (UTC+00:00)

Um grupo de homens armados raptou uma centena de jovens e incendiou residências e barracas na localidade de Naulala, na província do Niassa, no norte de Moçambique.

Os homens armados, em número desconhecido, terão invadido a localidade de Naulala, no distrito de Mecula, na manhã de sábado, onde permaneceram por cerca de uma hora, de acordo com o relato na edição de hoje do jornal estatal Notícias, que detalha vários passos do incidente.

Além de invadir casas, os homens terão roubado produtos alimentares, medicamentos e incendiado "uma viatura da Reserva Especial do Niassa e quatro motorizadas", para além de "raptarem cerca de uma centena de jovens, levado para destino desconhecido".

Entre as casas vandalizadas "encontra-se a do chefe da localidade", refere-se no jornal.

A maioria da população daquela localidade está refugiada numa escola primária na vila sede do distrito de Mecula, havendo alguns que se encontram nas matas da região, próximo da Reserva do Niassa.

De acordo com o Notícias, terá havido um tiroteio entre a força da guarda fronteira e o grupo armado, suspeitando-se que este esteja relacionado com os grupos insurgentes de Cabo Delgado.

Membros das Forças de Defesa de Moçambique foram enviados àquela localidade para garantir proteção à população, avançou o jornal, tendo encontrado dois menores que "caminhavam desamparados".

A Lusa contactou a Polícia da República de Moçambique (PRM), mas a corporação remeteu esclarecimentos para "momento oportuno".

"Nós, como polícia, ainda não nos pronunciámos sobre esse assunto", disse à Lusa, Alves Mathe, porta-voz da PRM no Niassa.

A província do Niassa faz fronteira com Cabo Delgado, que é aterrorizada desde outubro de 2017 por rebeldes armados sendo alguns ataques reclamados pelo grupo Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocimboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.