Nacional

Porto de Maputo atinge limite depois dos 137 hectares concedidos pelo Governo

2022-12-06 07:56:15 (UTC+00:00)

O Porto de Maputo voltou a atingir o limite de capacidade de espaço concedido pelo Governo, segundo a direcção que gere a infra-estrutura. Até Novembro deste ano, a empresa atingiu 25 milhões de toneladas no manuseio de carga.

É a primeira vez em que o Porto de Maputo atinge o limite da sua capacidade de espaço para a manuseio de carga, depois de, em Março deste ano, o Governo ter disponibilizado mais de 137 hectares, avança uma nota do Opaís.

Na altura, o objectivo era realizar mais investimentos.

“Apesar de o Governo ter aprovado, há um ano, o aumento do espaço físico para o manuseio de carga, o Porto de Maputo cresceu de uma forma significativa e já atingiu limite e a grande questão é como manter este nível de crescimento”, revelou Lucas Osório, director-executivo do Porto de Maputo.

A meta é até ao fim do ano atingir mais de 26 milhões de toneladas no manuseio de carga.

“Até Novembro deste ano, fizemos 24,5 milhões de toneladas – é um dado garantido –, as 26 milhões de toneladas são de carvão, magnetite, crómio, isto tudo junto deve fazer 17 a 18 milhões de toneladas”, detalhou Lucas Osório.

Um dos desafios passa por manter o Porto de Maputo na sua capacidade máxima para aumentar o volume de negócios da empresa.

“O que se pode fazer e, desde já lanço um desafio aos operadores que podem aproveitar o período nocturno que não tem sido aproveitado no seu máximo, o grande desafio do porto é transformar as 26 milhões de toneladas num novo mínimo”, apelou o director-executivo do Porto de Maputo.

Para capitalizar recursos e promover o crescimento do volume de negócios, a direcção do Porto de Maputo aponta para uma solução que parte das construções que decorrem no portão número um.

A Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) investiu mais de 700 milhões de dólares no investimento em tecnologias.

“A solução do portão é a infra-estrutura e sistema tecnológicos que permitem o anúncio da chegada dos camiões quer de trânsito quer de importação ou exportação. Devem melhorar a capacidade de resposta no portão, também estamos a trabalhar com a empresa Caminhos de Ferro de Moçambique para desenvolver um plano integrado, por forma a garantir que a Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) e os CFM possam oferecer de forma integrada serviços aos clientes.”

O Porto de Maputo prevê um crescimento de produtos manuseados de 15 por cento a 18 por cento até ao fim deste ano.