Nacional

Total mantém confiança na viabilidade do projecto

2021-05-03 09:27:06 (UTC+01:00)

A Total concessionária e operadora da Área 1 offshore da Bacia do Rovuma, reafirmou a sua confiança em relação à viabilidade do projecto de produção e liquefacção de gás natural a partir de uma infra-estrutura em terra a ser implantada em Afungi.

MAPUTO- A garantia foi dada sexta-feira, em Maputo, após encontros que o presidente da Total para Pesquisa e Produção, Arnaud Breuillac, manteve com os ministros dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela, e da Defesa, Jaime Neto.

Fonte do Governo citada pela agência Lusa explicou que o Executivo transmitiu também à Total o seu empenho na restauração de condições de segurança favoráveis ao reatamento de todos os empreendimentos suspensos devido à acção dos terroristas em Cabo Delgado.

“Os ministros moçambicanos e Arnaud Breuillac manifestaram sintonia e confiança em relação à viabilidade dos projectos de gás na Bacia do Rovuma”, disse a fonte.

Refira-se que a Total declarou recentemente aos seus parceiros “força maior” devido à insegurança causada pelos ataques em Afungi, norte da província de Cabo Delgado.

Como resultado da decisão da petrolífera, todas as actividades de campo relacionadas com a construção das infra-estruturas do projecto Golfinho/Atum estão temporariamente suspensas, devendo ser retomadas assim que a segurança for reposta.

A acção deriva da necessidade de mitigar os efeitos negativos decorrentes da aplicação de contratos e custos em bens e serviços que não podem ser prestados ou utilizados durante o período em que as operações estiverem suspensas, facto que teria efeitos negativos no custo global do projecto.

Segundo foi avançado na ocasião, a suspensão das operações da Total tem em vista garantir a integridade física e segurança dos trabalhadores, bem como a protecção das infra-estruturas.

Com a interrupção temporária das operações, a Total não poderá, durante este período, cumprir as obrigações contratualmente assumidas, podendo ainda vir a suspender ou rescindir mais contratos com outros prestadores de bens e/ou de serviços, dependendo do tempo que durar a interrupção.

O projecto de gás natural liquefeito consistenuma plataforma em terra, num investimento de 20 biliões de dólares americanos, para viabilizar a exploração de 13,12 milhões de toneladas por ano (MTPA) de gás natural, num período de 25 anos e gerar lucros directos na ordem de 60.8 biliões de dólares, dos quais cerca de 30.9 biliões para o Estado durante 25 anos.

Prevê também a disponibilização de 2.5 biliões de dólares para cobrir despesas relacionadas com a contratação de bens e serviços a serem fornecidos por empresas moçambicanas ao projecto de GNL durante a fase de construção da planta, para além das oportunidades de emprego e treinamento para cidadãos nacionais.

A decisão final de investimento do projecto Golfinho/Atum foi anunciada a 18 de Junho de 2019 e prevê entrar em produção em 2024.







Texto:Jornal Notícias